sábado, 7 de maio de 2011

“Gostava de acabar carreira no Benfica”

* futebolingles

Defesa já é ídolo no Chelsea mas não esquece os tempos na Luz. Sobre Jorge Jesus, diz ser “o homem certo” para as águias.

Correio Sport – Chegou, viu e venceu. Esperava afirmar-se tão depressa no Chelsea?
David Luiz – Não esperava esta idolatria em tão pouco tempo. Ter ajudado o Chelsea com dois grandes golos, contra o Manchester United e o City, foi importante. Mas vou manter os pés no chão.

– É reconhecido na rua?
– Reconhecem-me a milhas, por causa do cabelo (risos).

– Como é que reagiu quando viu o Chelsea a vender perucas à David Luiz?

– Foi surreal, não queria acreditar. Depois senti um orgulho enorme: esgotaram nas lojas todas do clube. Não esperava ser tão apoiado.


– Durante os jogos, repara nas perucas?

– Evito olhar, é demasiado engraçado. Os caracóis eram a minha imagem em Portugal mas aqui é a loucura.


– Alguma vez se sentiu incomodado com essa adoração?

– Nunca. São os adeptos que vêem o futebol e fazem dos jogadores uns craques ou uns falhados. Tento ser exemplo também fora de campo.


– O que lhe agrada no Chelsea?

– A harmonia entre jogadores, funcionários, cozinheiros e categorias de base. O Chelsea é um clube como o Benfica. É lindo.


– Quem o ajudou na adaptação a Inglaterra?

– O Paulo Ferreira ajudou-me nas entrevistas, porque está em Londres há muito tempo e fala bem inglês.


– Que metas tem no Chelsea?

– Para já, ser campeão. A liga pode decidir-se nesta jornada [amanhã], em Manchester. Estamos a três pontos do nosso adversário de amanhã, o Manchester United.


- Roman Abramovich é um presidente acessível?

- É educado, cumprimenta a equipa toda. O Chelsea tem uma estrutura tremenda. Assim que cheguei perguntaram-me o que é que eu precisava para estar tranquilo e me focar só no futebol. Ofereceram-me tudo. Incrível!


- Aulas de inglês também?

- Sim. Arranjaram-me um professor. Também faço um curso de inglês pelo skype, na internet. Já falo quase tudo e leio muito.


- Ninguém diria, depois de ver um vídeo no YouTube em que aparece a acenar com a cabeça entre Torres e Lampard, numa ‘flash-interview’...

- Palhaçada! Sou amigo do jornalista da Chelsea TV e combinámos fazer uma brincadeira na entrevista do Torres e do Lampard. Lembrei--me de concordar com tudo o que diziam. Quase rebentaram com o riso em directo. O vídeo ficou legal.


- Está sozinho em Londres?

- Os meus pais vão ficar um mês. A minha namorada [Sara Madeira] estuda em Portugal e vem às vezes.


- André Villas-Boas no Chelsea: sim ou não?

- Sei lá. A imprensa fala. O Carlo Ancelotti é bom, abre-nos o apetite todos os dias. Não sei se sairá para Itália como dizem.


- Villas-Boas tem estofo para treinar o Chelsea?

- Deve ter. Está a crescer, a revelar--se um bom treinador. Torço pelas pessoas com valor, independentemente da instituição que representam. No caso dele, teve mérito na forma como organizou o FC Porto. Também admiro o Jorge Jesus, que sofreu muito para chegar ao Benfica e ser reconhecido.


- Jorge Jesus terá margem para continuar na Luz?

- Os dirigentes do Benfica não são burros, sabem que ele é supercompetente. Só têm de o segurar. Com ou sem Liga Europa, Jesus é o homem certo para treinar o Benfica.


- Por que defende tanto Jesus?

- Ele foi importante na minha caminhada, mas não é por isso. É por ele ter recuperado a magia na Luz e por lidar como ninguém com a pressão naquela casa. Jesus é bom treinador no Benfica ou em qualquer equipa do Mundo. É bom treinador por si mesmo.


- Fala com ele? Mantém contacto com os seus ex-colegas?

- O Ruben Amorim é o meu melhor amigo e diz que sente muito a minha falta. Quando vou a Portugal passo no clube e ainda está lá o meu cantinho. Fui capitão com 22 anos, o capitão mais novo. São coisas que batem cá dentro. A ligação é forte e genuína, nunca fui forçado a nada nem falo isto para a fotografia.


- Como assim?

- Estou a dizer que entrei ali de coração aberto desde o primeiro dia. Nunca fui forçado a dar sorrisos lá dentro. Se dei foi porque quis; abracei cada adepto e cada funcionário do clube porque tive vontade.


- Espera voltar um dia?

- Se for possível, gostava de acabar a carreira no Benfica. Entrei na Luz pela porta grande, graças a Deus saí pela porta grande e tanto o presidente Luís Filipe Vieira como o Rui Costa me disseram que tenho sempre as portas abertas para voltar.


- Maior sonho?

- Ser campeão do Mundo pelo Brasil e ganhar a Champions na próxima época. Para mim foi frustrante não jogar a Champions com o Chelsea, por não poder ser inscrito.


- Raúl Meireles foi eleito o melhor da Premier League. Na próxima época será você?

- Quem sabe? Fui considerado o melhor jogador do mês de Março. Sou o terceiro brasileiro da história da Premier League com essa distinção e também o primeiro central brasileiro. Espero manter o nível.


- O que faz com o salário milionário (dois milhões/ano) que o Chelsea lhe dá? Já tem carro novo?

- Ainda não. Ando com o motorista do clube, que me vai buscar ao hotel numa carrinha enorme. Às vezes apanho um táxi para ir ao centro. Vou comprar casa porque não gosto de alugar e perder dinheiro. Não ligo a luxos, roupas e relógios de marca.


- É mesmo simples ou isso é pose?

- Que pose? São os valores que os meus pais ensinaram. Prefiro ir na brincadeira com o motorista, um velhinho que está no Chelsea há 40 anos, do que chegar triste num carro de luxo, sem ter falado com ninguém. O melhor investimento que fiz foi nos meus pais. Já não precisam de trabalhar mais e podem conhecer o Mundo. Eram professores, sempre fizeram tudo para dar uma vida confortável a mim e à minha irmã. Não passámos necessidades, mas sempre se contou o dinheiro. Poder retribuir esse esforço é a minha maior alegria.


- O técnico Alex Ferguson acusou-o de ser demasiado duro e estranhou que tivesse jogado o tempo todo sem ser expulso, no último duelo com o Manchester United, que o Chelsea ganhou por 2-0 com um golo seu.

- Não sou caceteiro nem piso rivais deitados no relvado. Fui expulso? Não. Ele falou para ver se me amansava. Deve querer que eu seja um jogador meigo e fácil de ultrapassar e que os jogadores dele se fiquem a rir na minha cara. Vou sempre ser duro e forte nas bolas, o futebol é um desporto de contacto.


- Quem o inspira no futebol?

- Vários centrais. Hoje jogo ao lado de um, o John Terry. O homem é uma lenda. Viveu coisas no futebol que eu quero viver também.

PERFIL

David Luiz Moreira Marinho nasceu no Brasil (Diadema) a 22 de Abril de 1987 (24 anos). Ingressou no Benfica em 2007, contratado ao Vitória (III divisão brasileira). Estreou-se nas águias na derrota (2-1) frente ao PSG, nos ‘oitavos’ da Liga Europa. Na segunda época, lesionou-se na virilha e teve vários meses parado. Nos encarnados, jogou em todas as posições da defesa, mas preferencialmente a central, onde se tornou um dos jogadores preferidos dos adeptos. Realizou 82 jogos e marcou 4 golos, tendo conquistado duas Taças da Liga (2008-2009 e 2009-2010) e um Campeonato (2009-2010). Em Janeiro de 2011 assinou contrato com os ingleses do Chelsea, até 2016.


Fonte: Correio da manhã


3 comentários:

befiquista disse...

pa es enorme eras o jogador que mais gostava de ver jogar no benfica o teu feitio e unico eapero por ti no meu benfica, um granda abraço. obrigado por cada gota de suor que deixaste em campo por nos.

Antonio disse...

Seguro que volverá al Benfica grande David Luiz
Saludos

Starstruck disse...

Excelente entrevista!
Espero que um dia o David regresse ao S.L.Benfica.